Tá tudo coisado

É estranho. Quando olho ao redor, vejo as pessoas coisadas, fazendo coisas coisadas, com pessoas também coisadas, e quando olho para mim mesma,  eu também estou coisada, fazendo a mesma coisa que eles. Só que eu bugo, olho tudo isso e penso em sair gritando ''EEEI, ACORDEM, VOCÊS NÃO PERCEBEM?'', mas logo esqueço e volto ao meu estado ''só existindo'' novamente. 

Falo de quando você para e não se sente nesse mundo. De quando o papo das pessoas não te balança e você só dá atenção para aqueles que conhece e gosta. É como jogar fora as boas etiquetas e selecionar o feijão, jogando fora os podres ao invés de tentar usá-los numa decoração. 

O barco tá indo e eu mal quero remar afinal, tô cansada. Pode ser o drama final do período, o desengano junto com a minha aceitação em perder cadeiras (disciplinas) e de admitir que fui um fracasso. Mas é o que há. Continuando... sim, é ótimo admitirmos que fomos um fracasso, porque logo nos perguntamos onde iremos chegar assim. Fiz o meu melhor? Talvez melhor que da vez passada, mas não, não fiz. Tentei? Pouco, mas não como deveria...

0 comentários