O corpo, a razão e eu


Cheguei numa fase da minha vida, onde minha razão grita algo, meu corpo faz o contrário e eu sou a internet que transmite recados de um para o outro. Com isso, comecei a falar sozinha, conversar comigo mesma. Isso tem me ajudado a por a cabeça no lugar, por mais estranho que pareça.

É complicado porque meu corpo parece estar com falha na recepção dos comandos enviados. Ele vai e arrasta junto eu e minha razão. Que assistimos tudo e depois o trazemos em segurança. O mais interessante, é que a razão aprendeu a entender ele e não o julga, apenas me deixa dialogar com ele para entendermos juntos o que é, o que foi e o que é preciso. 

Realmente sinto como se fossemos três pessoas. Cada uma com suas vontades, mas agindo em conjunto, ajudando quando a outra falha. O corpo representa meu coração, impulsivo, intenso e com cede de liberdade. A razão é o que me guia e me põe de frente com meus princípios, ideias e deveres. Sem ela, meu corpo viveria de magia. Por último, eu, a voz interna que comenta tudo e é a ligação entre os dois. A que sobra as borboletas na barriga para o corpo sentir. Que se entrega nos olhos e produz os sorrisos. 

2 comentários

  1. É louco, mas fantástico se deixar guiar pelo corpo sempre que puder. O bicho aguenta nossas dores, medos, tabus, merece se entregar as magias quando der chance. Contanto que a razão apite quando tiver perto de se iludir, ótimo. Se iludir também, num vamos morrer por isso, né miga. Sempre terá força pra recomeçar. Beijão, sua linda dos textos que me ajudam desde sempre <3

    ResponderExcluir
  2. Eu tento encontrar um equilíbrio entre os dois e as vezes falho, mas o importante é o que faço com tudo isso, aprendo com as consequências.
    Charme-se

    ResponderExcluir